top of page
Buscar

Como escolher a pedra para bancada da cozinha

Atualizado: 3 de nov. de 2022

Seja na hora de construir ou reformar, a fase da escolha dos acabamentos é de suma importância para o projeto, e bancada da cozinha não é diferente. Afinal, além da beleza, precisa garantir praticidade para o dia a dia dos moradores.


A bancada da cozinha pode apresentar diferentes funcionalidades, de acordo com o projeto. Ela pode servir como apoio para o preparo dos alimentos, para as refeições rápidas, extensão da ilha ou península, além de base para cuba e área molhada da pia.

Mas o que é preciso na hora de escolher a peça? Sem dúvidas, a maior preocupação deve ser a durabilidade da pedra escolhida. Afinal, de que adianta a preocupação com a estética se a pedra escolhida acabar manchando com o uso? Por isso, a dica é levar em conta a intensidade de uso da cozinha e as necessidades dos moradores.


Bancada de cozinha: pedra natural ou sintética?

Podemos dividir os tipos de pedras em dois grandes grupos: as Pedras Naturais e as Pedras Sintéticas.


Foto 1: No projeto desse loft, escolhemos o Caesarstone para as bancadas e frontões da cozinha (veja mais sobre esse projeto em Alphaville aqui)



As pedras naturais são um dos materiais mais utilizados em construções e como ornamentação no mundo desde a antiguidade. Possuem padrões muito variados, com manchas, veios e desenhos fantásticos! Ainda nos dias de hoje segue sendo um material muito utilizado na arquitetura. Os tipos mais conhecidos são: o granito, o mármore e o quartzito.


As pedras sintéticas são fabricadas a partir de uma combinação entre materiais naturais e aditivos sintéticos. Basicamente, elas não podem ser extraídas diretamente da natureza. As pedras sintéticas apresentam algumas vantagens: podem ser bem homogêneas e lisas, praticamente impermeáveis e até imitar alguns tipos de pedras naturais. Mas as diferenças não param por aí. Os materiais sintéticos mais utilizados são compostos feitos a partir do quartzo, como Silestone, Caesarstone, Nanoglass, Corian, entre outros.


Para garantir a melhor escolha, nossa dica é conhecer os prós e os contras de cada pedra e por isso, trouxemos o dossiê de cada material.



Granito (pedra natural)

Esse, sem dúvidas, é o material mais conhecido para bancada da cozinha. O motivo é simples: tem alta resistência aliada ao custo-benefício. O material é ótimo para o uso diário, por ter fácil limpeza e manutenção. Não é para menos que também é indicado para o uso em pisos também.

Por ser um material natural, a pedra tem uma série de variações, de cores e padronagens. A aparência varia bastante, do mais granulado ao mais liso, como o São Gabriel e o Preto Absoluto. Vale lembrar que é um material resistente às altas temperaturas. Mas pede atenção quanto às manchas, pois se não tiver impermeabilizado pode absorver líquidos e ficar manchado.


Foto 2: No espaço gourmet desse apartamento, utilizamos o granito Café Imperial (também usamos esse mesmo granito em outro apartamento. Veja aqui)


Mármore (pedra natural)

Apesar da aparência sofisticada com diversas opções de padronagens é uma pedra muito porosa e pouco resistente, por isso, só é indicada para quem faz pouco uso do espaço, e apenas para áreas de apoio, como bancada para refeições. Nunca em contato direto com a água ou preparo de alimentos.


Quartzito (pedra natural)

É uma rocha metamórfica composta majoritariamente por 75% de grãos de quartzo. É uma combinação fantástica entre beleza e durabilidade: apresenta dureza maior que o granito e praticamente não sofrem alterações com produtos de limpeza em geral!


Foto 3: Esse é o quartzito Taj Mahal. Uma pedra linda ,ornamental e super resistente a riscos e machas.


Silestone e o Caesarstone (pedra sintética)

Se você quer usar uma pedra totalmente branca, essa é a sua escolha! O Silestone e o Caesarstone é uma pedra tecnológica com aparência lisa e diversas opções de cores. Composta por quartzo natural (mais de 90%), resina de poliéster para conectar as partículas e pigmentos especiais, apresenta baixíssima absorção de líquidos e alta resistência a desgastes, riscos e impactos. No entanto elas não aguentam temperaturas altas: nada de colocar panelas quentes diretamente em contato!


Nanoglass (pedra sintética)

Produzido à partir de resina e pó de vidro, tem aparência homogênea e é bem brilhante. Além disso, tem baixa porosidade, o que torna a pedra resistente às manchas. Como tem vidro em sua composição, é um material rígido e de delicado manuseio, além de não ser resistente à altas temperaturas.


Corian (material sintético)

Desenvolvido pela Dupont, o material é feito com resina acrílica e hidróxido de alumínio. Entre as principais vantagens estão a baixíssima absorção de líquidos e alta resistência a desgastes, riscos e impactos. Além disso, as superfícies não são porosas, quando devidamente limpas, não promovem o crescimento de mofo e bolor, por isso são muito utilizadas em ambientes hospitalares.


Lâminas Ultracompactas (pedra sintética)

Produzidos com elementos minerais, como o quartzo e a porcelana, tanto o Dekton quanto o Neolith possuem baixa porosidade e apresentam várias opções de acabamentos. Tem baixíssima absorção de líquidos e alta resistência a desgastes, riscos, impactos e temperaturas altas. Uma desvantagem: o valor ainda é bem alto no Brasil.



E agora, como escolher?

Sabendo todas as vantagens e desvantagens do material, fica mais fácil escolher qual a melhor opção para sua cozinha. A maneira mais assertiva é contratar um arquiteto (conheça um pouco mais sobre o nosso trabalho - visite nosso site) que pode unir as características dos materiais à um bom projeto de interiores que seja adequado ao uso desejado.


Entre em contato com a nossa equipe e faça um orçamento! (fale conosco!)

83 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page